Quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019

Brasil
Publicada em 23/11/19 às 14:07h - 1913 visualizações
Diagnóstico de morte encefálica é complexo e passa por mais de um especialista, conta neurologista

Jornal Folha da Cidade


 (Foto: Jornal Folha da Cidade)

Para constatar a morte cerebral, dois médicos diferentes devem realizar o exame clínico, teste de apneia e exames complementares

Nesta quinta-feira (21), o apresentador Gugu Liberato foi internado em estado grave após cair de uma altura de quatro metros na casa onde mora em Orlando, nos Estados Unidos. A informação amplamente compartilhada nas redes foi que o comunicador teria sofrido uma morte cerebral, algo ainda não confirmado por sua assessoria. No entanto, o debate em torno da morte cerebral, ou morte encefálica, intensificou-se com a notícia do acidente de Gugu. A médica residente de neurologia no Hospital Geral de Fortaleza, Roberta Lessa, explica em entrevista à Fórum que o diagnóstico de morte encefálica é algo extremamente complexo e pode levar muitas horas, além de ser necessário passar por diversos pré-requisitos, a começar pelos especialistas encarregados.

Roberta conta que o Conselho Federal de Medicina (CFM) atualizou em 2017 os critérios para definir a morte encefálica e estabeleceu que o diagnóstico deve ser feito por outros especialistas além do médico neurologista. “O ideal é que um dos testes seja feito ou por neurologia ou por intensivista ou médico de emergência devidamente capacitados. Não apenas neurologista. Na ausência desses ostentes podem ser feitos por dois médicos capacitados”, conta.


A morte encefálica, ou morte cerebral, ocorre quando há perda completa e irreversível das funções do cérebro, o que também é reconhecido como “a definição legal de morte”. Isto significa que, como resultado de grave agressão ou ferimento no cérebro, o sangue que vem do corpo e supre o õrgão é bloqueado, ocasionando sua morte.

Para diagnosticar um paciente com morte encefálica, é necessário cumprir o protocolo do CFM, que define todos os critérios e pré-requisitos necessários. A residente em neurologia explica que é necessário um exame de imagem para justificar que o cérebro não tem mais função, além disso, é obrigatório que o paciente esteja em observação por pelo menos seis horas. “Esse horário pode variar pelo uso de medicamento sedativo, que pode simular uma morte cerebral. Portanto, teria que esperar o medicamento sair do corpo”, acrescenta.

A partir do exame neurológico, é possível ter a certeza de que aquela pessoa já não apresenta reflexos cerebrais e, a partir desta constatação, o protocolo de morte cerebral é aberto. Roberta também conta que, muitas vezes, o paciente ainda está respirando, por ter seu corpo ligado a um ventilador mecânico. Ele também pode estar com batimentos cardíacos, o que dificulta para que familiares e amigos acreditem que o paciente evoluiu a óbito. Em alguns casos, a parada cardíaca pode ocorrer em até cinco dias depois do diagnóstico de morte cerebral.



ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:


Enquete
Qual dessas Redes Sociais você acessa?

 Instagram
 Youtube
 Facebook
 Twitter

Publicidade Lateral
Garota da Edição
Ingrid Muracami
Cidade: Curitiba
(41)9 8481 9471

Pedido Musica

  • Luana
    Cidade: Piraquara
    Música: Ninguém explica Deus
  • Leandro da Silva
    Cidade: Pinhais
    Música: Alisson e Neide Sinceridade para toda minha familia
  • Marcela Fritz
    Cidade: Pinhais
    Música: Quero a musica Jó
  • Cristiano
    Cidade: Pinhais
    Música: Escudo
  • Patricia Puerta
    Cidade: Curitiba
    Música: Davi Sacer Lugar Santo dos SAntos...
  • Tony Silva
    Cidade: Brasil
    Música: Sunday Bloody Sunday
Bate Papo

Digite seu NOME:


Estatísticas
Visitas: 2147483647 Usuários Online: 150


Fan Page

Parceiros




Copyright (c) 2019 - Jornal Folha da Cidade - Todos os direitos reservados